Cefaleia: o que significa, causas, como evitar e quais os tratamentos

Saúde

Cefaleia significa dor de cabeça. E esse é um dos problemas de saúde mais frequentes, com causas e tratamentos variados. Os médicos chegam a apontar mais de uma centena de variações de cefaleia, separadas em duas categorias: primárias e secundárias. Fazem parte do primeiro grupo aquelas sem uma motivação externa — ou seja, a dor de cabeça é uma doença em si. O exemplo típico é a enxaqueca. Já as secundárias são detonadas por outros males, como sinusites, gripes ou até mesmo aneurismas ou tumores cerebrais.
Entre as cefaleias primárias, destaca-se a do tipo tensional, de intensidade leve a moderada. Essa dor mais corriqueira em geral é associada ao estresse. O nervosismo e mesmo a alegria extrema modificam a química cerebral, deixando os neurônios superexcitados. O quadro acaba provocando uma contração muscular constante na região do pescoço e ao redor do crânio. O resultado é uma dor que pode se instalar nos dois lados da cabeça, na nuca e na testa.
Bem mais rara, a cefaleia em salvas se caracteriza por sintomas que vêm em períodos curtos, de uma a três vezes ao dia, durante algumas semanas ou meses. São dores súbitas e intensas, de um lado só da cabeça, localizadas na região dos olhos e acompanhadas de obstrução nasal e lacrimejamento. Durante as crises, a pessoa tende a ficar bastante agitada.
Uma terceira forma de manifestação primária da cefaleia é a enxaqueca, acentuada por cheiros fortes, ruídos e ambientes com muita luz. Mais frequente em mulheres do que em homens — acredita-se que os hormônios femininos tenham participação importante no sofrimento —, o distúrbio provoca dor de cabeça latejante, de moderada a intensa, por vezes acompanhada de náusea, vômito e alterações na visão.
Já no grupo das cefaleias secundárias, aquelas provocadas por outras doenças, um dos principais gatilhos é a sinusite. Com as cavidades dos ossos da face inflamadas, o acúmulo de muco cria uma pressão, provocando a dor na região frontal da cabeça.
E, claro, excesso de álcool, falta de sono e outros fatores podem disparar crises de dor de cabeça. Há também episódios de infecção por coronavírus marcados por esses desconfortos.
Para afastar as cefaleias e suas crises, a melhor estratégia é investir numa rotina saudável, que envolve uma dieta equilibrada, sono regular e manejo do estresse.
Embora não exista um alimento que sirva de gatilho para todas as pessoas com enxaqueca, por exemplo, é possível que um ou outro item do cardápio esteja associado a crises de um indivíduo específico. Por isso, verifique se algum item de seu cardápio não está disparando dores — mas, se tiver uma suspeita, converse com o profissional de saúde antes de tomar qualquer atitude. Chocolate e vinho tinto às vezes disparam os incômodos.
Por fim, deve-se praticar atividades físicas, adequadas ao condicionamento de cada um — os treinos trazem bem-estar e combatem uma das maiores causas do distúrbio, a ansiedade.
Com tantos possíveis fatores desencadeantes, é importante procurar ajuda médica pa